Filosofia para todas as gerações


Sem o auxílio da educação, a cidadania vira pano de chão. (Juahrez Alves)
A experiência começa de maneira indireta na teoria e se consagra na prática .(Juahrez Alves)
Quando há fraternidade, o amor é sereno; quando há solidariedade, o amor é ativo, e quando há caridade, o amor é vivo.(Juahrez Alves)
A complexidade da criação do mundo e das espécies
Cuando hay hermandad, el amor es sereno, cuando hay solidaridad, el amor es activo, y cuando hay caridad, el amor está vivo. (Juahrez Alves)

sábado, 15 de fevereiro de 2014

O Uso do "Que"

Autor: Juahrez Alves

O uso do “que” até parece uma confusão
Em muitos casos para começar, ele é INTERJEIÇÃO
“O quê! Você ainda não está pronto, João?
E o “que” de PREPOSIÇÃO?
Quando liga dois verbos em uma locução?
“Tenho que sair agora, Carlão”.
Tendo o verbo ter como o auxiliar da função?
Além de também ser ADVÉRBIO, quando equivale a “quão”?
“Que lindas flores, Manelão!”
Só que ainda tem o “que” de CONJUNÇÃO que equivale a “isto”
Quando não há substantivo anterior na oração:
“Notei que não ia...”. Notei isto: não ia não”.
Mas o “que” também pode ser  dispensável em alguma ocasião
Quando serve, apenas, com PARTÍCULA DE REALCE a nossa comunicação.
“Quase QUE não cheguei na estação".
Pois é, mas a função do “que” não pára nesse crivo
Pois também como  pronome assume o lugar de SUBSTANTIVO
Quando equivale a um quê de alguma coisa e antecede o artigo
Ou outro determinativo: “Ele tem certo QUÊ de intensivo”.
Em outros casos é PRONOME INDEFINIDO ADJETIVO, quando acompanha o substantivo:
“Que linda! ”, “que paraíso!”
Ou PRONOME INDEFINIDO SUBSTANTIVO: “que aconteceu comigo?”
Ainda em outros casos é PRONOME RELATIVO, quando o “que” equivale a
“O qual”, "os quais", "a qual", "as quais", só não aos "quãos",
Sem nenhum prejuízo à constextualização.

Nenhum comentário :

Postar um comentário